Saia de férias sem preocupações

Muitos profissionais não conseguem se desligar da empresa e de seu emprego, outros sofrem com a síndrome pós-férias

Enquanto alguns profissionais riscam os dias no calendário para salientar a antecedência do período de férias e passam meses planejando todas as atividades prazerosas que serão desenvolvidas, outros sentem calafrios só de imaginar ficar longe do trabalho. E isso não é tudo, estudo aponta que 23% dos brasileiros sofrem também com a síndrome pós-férias.

Muitos profissionais, sobretudo os mais centralizadores, tendem a imaginar que a empresa não apresentará os mesmos resultados sem a sua presença. Essa aflição faz com que ele não desplugue da tomada, não raro, torna laptops, tablets ou smartphones como companheiros inseparáveis de seu período de férias.

Para a presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos em Goiás (ABRH-GO) e especialista em gestão de pessoas, Dilze Percilio, o profissional pode temer duas situações distintas: que outra pessoa ocupe seu lugar na empresa ou que a chefia 'perceba' que a área atuante do profissional que está de férias continua fluindo mesmo sem sua presença.

"O tipo de preocupação depende muito do perfil do executivo. As primeiras preocupações podem estar voltadas para o receio de ter seu cargo ocupado ou que outras pessoas achem que o executivo não é mais tão necessário para a empresa", diz.

Ela explica que os profissionais mais seguros acreditam que haverá uma queda de produtividade durante sua ausência, enquanto que os inseguros temem perder espaço na empresa. "Tem executivo que acredita que a maneira correta de desempenhar o trabalho é a dele. Por isso, ele tem um sentimento de insatisfação muito grande em relação ao desempenho da equipe quando retorna ao trabalho", diz. Ela lembra que é impossível um líder voltar do período de férias e encontrar tudo exatamente da forma como deixou antes.

Uma dica repassada pela profissional é controlar a ansiedade. "O que gera ansiedade é tudo que o profissional quer fazer, mas que não está em sua alçada", aponta. Para ela, o colaborador deve sempre desempenhar seu papel em nível máximo de qualidade e não se preocupar no período de férias, afinal a empresa possui outras pessoas para atingir suas metas.

SÍNDROME PÓS-FÉRIAS

Por outro lado, muitos profissionais sofrem para voltar ao trabalho depois do período de férias. Algumas empresas dedicam atenção aos profissionais e sugerem distensão gradual, considerando uma retomada mais lenta nos primeiros dias como forma de readaptação. Essa síndrome é muito mais comum do que se imagina. Um trabalho conduzido pela International Stress Management Association (Isma) aponta que 23% dos brasileiros sofrem da depressão pós-férias.

 

Fonte: O Popular