Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego

Profissional deve pesar salário, plano de carreira, horário, entre outros.
Brasil é campeão mundial em rotatividade, de acordo com pesquisa.

Com o mercado de trabalho aquecido e com bastante demanda de mão de obra qualificada, a busca por profissionais ocorre não somente em bancos de vagas de empresas de recursos humanos, mas também entre os empregados das companhias. Assim, muitas pessoas acabam trocando de emprego após receberem propostas com salários atraentes e promessas de ascensão dentro das organizações.

Essa troca de empregos faz o Brasil apresentar alto índice de rotatividade. De acordo com pesquisa global da Robert Half realizada com 1.775 diretores de RH de 13 nacionalidades, o Brasil é o campeão mundial em rotatividade de funcionários. No país, o turnover de colaboradores aumentou em 82% desde 2010, mais que o dobro da média mundial, que foi de 38%.

Segundo o consultor em gestão de pessoas, Eduardo Ferraz, a rotatividade é grande por causa da enorme falta de mão de obra qualificada e da baixa taxa de desemprego. "Com isso as pessoas um pouco mais qualificadas trocam com muito mais frequência de emprego, seja para ganhar um pouco mais, morar mais perto de casa, ter horários mais flexíveis ou mais autonomia. Os mais qualificados, que normalmente têm tolerância mais baixa, estão ainda mais intolerantes e impacientes com situações que aceitariam melhor se houvesse alto desemprego".

Ferraz aponta que as empresas estão com uma falta crônica de talentos há mais de cinco anos e se veem obrigadas a assediar pessoas empregadas com muito mais frequência do que gostariam. O consultor destaca, no entanto, que ficar mudando de emprego a todo momento pode ser prejudicial para a carreira, pois, além de perda de tempo e energia, desvaloriza o currículo, pois poderá dar a impressão de instabilidade. "Ter foco, conhecer bem suas habilidades e interesses e analisar os ganhos não só de curto, mas de médio e longo prazos, vai ajudar a analisar as diferentes propostas e saber se está na hora ou não de trocar de emprego", diz.

 

Fonte: G1