Conhecimento para manter o emprego

Especializar-se na área de atuação é fundamental para o crescimento profissional

De um cenário que antes era visto como crescente e necessitado de profissionais bem preparados, o mercado de trabalho passou a exigir do empregado uma especialização não para conseguir uma vaga, mas sim para manter seu cargo. Com a alta taxa de desemprego e a carência de oportunidades, trabalhadores têm buscado investir na capacitação para não perder o emprego.

É o caso do engenheiro civil Welington José da Silva, que, ao perceber a dificuldade do mercado, buscou se especializar no curso de Revit Archtecture, para se manter atualizado e não colocar em risco sua carreira. "O mercado esfriou bastante nos últimos anos e com isso muita gente ficou desempregada", afirma.

Além disso, Welington acredita que é um bom momento para os profissionais buscarem uma capacitação além da faculdade, pois o mercado tem exigido cada vez mais. "Nesse momento só vai permanecer os mais capazes", completa.

Os cursos profissionalizantes estão no meio do caminho entre a experiência na empresa e no que é aprendido dentro da sala de aula. De acordo com a coach em carreira e diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) para a região Centro- Oeste, Dilze Percílio, mesmo quem tem uma quantidade maior de anos de estudo, as vezes carece de algum conhecimento específico em sua carreira.

"Mesmo para quem está no mercado de trabalho há muito tempo, é o momento de aproveitar para dar uma turbinada no currículo", afirma a consultora. Ainda segundo ela, o curso pode direcionar melhor o profissional e abrir caminhos para as melhores áreas. É um conhecimento mínimo que pode fazer a diferença no dia a dia do profissional.

Para o consultor de Revit Archtecture e professor do Senac Goiás, Robson Azevedo, os trabalhadores buscam esse tipo de curso profissionalizante para conseguir não só ingressar no mercado de trabalho, mas para também manter o emprego. "Buscar uma especialização na área em que está atuando é fundamental para o crescimento profissional e estabilidade do trabalhador", assegura.

Em vista disso, Robson diz que o mercado tem exigido cada vez mais conhecimento dos profissionais e que somente os mais capacitados terão vez nesse período de crise. "A maioria procura o curso por conta de uma exigência maior do mercado, que tem aumentado cada vez mais", declara.

Diferencial

Robson acredita que um curso profissionalizante no currículo é diferencial para a tomada de decisão diante de uma contratação. Já Dilze garante que não é por fazer um curso extensivo que o profissional estará pronto para o mercado de trabalho. "Isso vai do perfil e do desempenho de cada candidato no momento da entrevista. Não é porque ela tem um curso a mais no currículo que isso será decisivo", orienta.

Porém, para ela, pequenos diferenciais se tornam fundamentais. Muitos trabalhadores, ao perceberem a falta de conhecimento, buscam o curso para acrescentar em seu ambiente de trabalho. "Não é diferencial, porém vai fazer diferença. Mas é óbvio que tudo isso vai depender do perfil de cada um", ressalta.

 

Fonte: O Popular