Veja como aproveitar a alta temporada dos estágios em Goiás

Em Goiás, para os três primeiros meses do ano são esperadas mais de 5,2 mil vagas somente pelo IEL e CIEE

O começo do ano é considerado estratégico para quem busca um estágio. Somente no Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e noCentro de Integração Empresa-Escola (CIEE), a expectativa é de que sejam ofertadas mais de 5,2 mil vagas no primeiro trimestre de 2015 em Goiás. Apesar das férias, o mês de janeiro, principalmente na segunda quinzena, é tido como começo da alta temporada dos estágios pelas instituições, que já oferecem 1,3 mil oportunidades.

O período é considerado promissor para os estudantes que buscam colocação, pois é quando há efetivações de estagiários nas empresas ou terminam a vigência de contratos e a oferta não é interrompida. "É interessante também porque é o momento que eles (estudantes) estão disponíveis para fazer acompanhamento, ir às entrevistas e muitas empresas aproveitam por coincidir com efetivação de estagiários e abrem contração para ocupar essa vaga", explica o gerente de relações com mercado do IEL, Marcelo de Souza Melo.

De acordo com o IEL, os índices de contratação pós-estágio chegam a 80% em Goiás. Por intermédio do instituto, existem mais de 14 mil estudantes em organizações públicas ou privadas em Goiás. E, no mercado goiano, as áreas de engenharia, agronomia, direito, computação e ciências contábeis são responsáveis em média por 60% das oportunidades que surgem neste início de ano.

Primeira experiência

Pedro Henrique Gomes Vargas, de 21 anos, é um dos que verificam com frequência o que é ofertado. Estudante de direito, ele quer iniciar o ano letivo com o primeiro estágio, já enviou currículo para alguns escritórios, aguarda ser chamado para entrevista e também está atento aos processos seletivos. "Por estar nas férias não busquei cursos de línguas e outros, mas me preparei e me mantenho atualizado."

A intenção de Pedro Henrique é organizar os horários antes de começar as aulas na faculdade para conseguir fazer outras atividades que auxiliem na carreira. E a falta de experiência, que pode ser considerada barreira para o primeiro emprego, não deve atrapalhar. No caso do estágio, a característica é até considerada vantagem em muitas empresas. De acordo com especialistas, o estudante deve mostrar que está em busca de formação, porque o que se procura são pessoas com vontade de aprender.

Se não der certo de primeira e não conseguir começar estágio por agora, o estudante também não deve desanimar. "Só de ir ao processo seletivo e ter um diagnóstico não é perda de tempo, é possível ver o que se pode melhorar e as férias também permitem isso", afirma Marcelo de Souza Melo, do IEL.

A estudante Gabriella de Faria Custódio, de 19 anos, já está estagiando, mas também diz aproveitar o período em que aumentam as ofertas para procurar outro e também para se aprimorar. "Quero ter uma outra experiência, porque quero aprender outras coisas e também ter uma boa remuneração", conta ela, que busca vaga em escritório de advocacia. Para ela, a grande dificuldade é a concorrência, que é grande e a bolsa que nem sempre compensa.

Concorrência

O supervisor do CIEE em Goiás, Guilherme Rosa, aconselha que os jovens não se preocupem com a concorrência. "É preciso estar apto e, no período das férias, acaba reduzindo o número de estudantes e tem muitas empresas procurando, por isso é considerado o melhor momento." Já quanto à remuneração, segundo estimativa da instituição, a média para as vagas que são de seis horas é de R$ 650 a R$ 850 .

No Estado, o supervisor avalia que o cenário está acima da média e teve um ligeiro aumento nas ofertas com relação ao mesmo período do ano passado. De 2013 para 2014, conforme o CIEE, houve acréscimo de 10% no número de vagas.

Aproximadamente metade das empresas de médio e grande porte desenvolvem programas com estudantes no País. Em Goiás, o setor de serviços se destaca. Porém, a estimativa das instituições é de que sete de cada dez indústrias contem com o apoio aos jovens.

As oportunidades também podem ser encontradas nas próprias faculdades. A Faculdade Estácio, em Goiânia, possui o Espaço Estágio e Emprego, o E3, que orienta e encaminha alunos para o mercado de trabalho. Ao todo, já participaram 2,3 mil. A meta para este ano é de mais de 205 vagas por mês.

 

Fonte: O Popular