Brasil segue em segundo lugar no ranking mundial de juros reais

O juro real brasileiro avançou para 5,41% ao ano

Após a nova alta de juros promovida na quarta-feira (21) pelo Banco Central, para 12,25% ao ano, o Brasil continua em segundo lugar no ranking mundial de juros reais, perdendo apenas para a Rússia - que deu uma "puxada" (forte elevação) de 6,5 pontos percentuais em seu juro básico em dezembro do ano passado, de 10,5% para 17% ao ano. As informações são do site MoneYou.

Com o novo aumento de juros promovido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) e com a alta na expectativa de inflação da Rússia, porém, a diferença entre os juros reais (calculados após o abatimento da inflação prevista para os próximos 12 meses) russos e do Brasil diminuiu.

Em dezembro do ano passado, logo após a Rússia elevar sua taxa, seu juro real estava em 9,55% ao ano, enquanto que a taxa brasileira somava 4,93% ao ano, uma diferença de 4,6 pontos percentuais. Em janeiro deste ano, após o BC elevar nesta semana a taxa Selic de 11,75% para 12,25% ao ano, o juro real brasileiro avançou para 5,41% ao ano. A taxa russa, por sua vez, somou 6,36% ao ano. A diferença, portanto, caiu para 0,95 ponto percentual.

De acordo com o economista Jason Vieira, da consultoria X-Infinity, que compilou os dados do ranking mundial de juros reais, a diferença entre a taxa brasileira e a russa diminuiu, também, porque a expectativa de inflação na Rússia para os próximos 12 meses avançou nas últimas semanas. A taxa média de juros das 40 economias pesquisadas na confecção do ranking, em janeiro deste ano, estava negativa em 0,9% ao ano.

Fonte: G1