Horário de verão termina neste domingo (22)

Brasileiros das regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste deverão atrasar o relógio em uma hora

O horário de verão, em vigor desde o dia 19 de outubro, termina à 0h do próximo domingo (22). Os brasileiros que vivem nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste deverão atrasar o relógio em uma hora, seguindo a determinação do decreto presidencial número 6.558/2008.

O horário de verão não é aplicado nas regiões Norte e Nordeste em virtude do ganho considerado pequeno, de acordo com dados do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). 

O principal objetivo do horário de verão é aproveitar melhor a luminosidade natural do dia, reduzindo o consumo de eletricidade no fim da tarde, quando ocorria o chamado pico de consumo.

Neste ano, com o pico de consumo registrado no início da tarde, principalmente por causa do aumento do uso de aparelhos de ar condicionado, o governo chegou a pensar em uma prorrogação da vigência do horário diferenciado. A medida poderia ter sido tomada pela falta de chuvas, o que prejudicou os reservatórios das hidrelétricas.

No entanto, após reunião com a presidente Dilma Rousseff, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, disse no último dia 11 que o governo avaliou não valer a pena estender o horário diferenciado.

Braga explicou que, com mais um mês de horário de verão, algumas localidades do País ficariam com um período da manhã mais escuro, acarretando mais consumo de energia. Para ele, a economia no final da tarde seria pouco expressiva.

- Do ponto de vista da energia, parte do Brasil ficaria pela parte da manhã no escuro, e nós teríamos, portanto, mais consumo de energia de manhã. Em que pese, na parte da tarde, podermos ter um ganho de energia que seria mais importante se a ponta de carga estivesse se confirmando, coisa que, graças a uma série de medidas, conseguimos atenuar e também porque estamos passando o período de fevereiro e o mês do verão.

Os relatórios finais sobre a economia de energia no horário de verão devem ser concluídos na próxima semana.

No início do horário de verão deste ano, a estimativa do governo era uma economia de R$ 278 milhões, com geração de energia térmica no horário de pico. No verão de 2014, a economia foi de R$ 405 milhões.

 

Fonte: R7