Contas de água e luz de abril chegarão salgadas

Os aumentos chegam a 36,4%, dos quais 34% se referem só às contas de luz, enquanto 2,4%, de água e esgoto

Os consumidores podem preparar o bolso para as faturas de água e luz que vão chegar em abril. Em Goiás, com reajustes nas tarifas de energia e de saneamento básico que entraram em vigência ontem, os aumentos chegam a 36,4%, dos quais 34% se referem só às contas de luz, enquanto 2,4%, de água e esgoto.

De acordo com o diretor de Regulação da Celg Distribuidora (Celg D), Elie Chidiac, esse maior impacto nas contas dos consumidores inclui a alta de 25% autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para Goiás. Além disso, em todo o Brasil a bandeira tarifária vermelha foi reajustada, passando de R$ 3,00 para R$ 5,50.

Dessa forma, um consumidor que usa, em média, 100 KW/h por mês vai passar a pagar R$ 74,36, considerando nesse cálculo a bandeira vermelha reajustada mais atributos. Até fevereiro, a conta de luz desse consumidor era de, aproximadamente, R$ 53,20

Mas a alta não será restrita aos pequenos consumidores. Estabelecimentos industriais e comerciais, conhecidos como consumidores de alta tensão, também vão sentir o aumento, que será de 33%. Na média, os dois índices - para alta e baixa tensão - representam um aumento de 27,5% da tarifa de energia elétrica em Goiás.

Motivações

Conforme o diretor, esses novos valores nada têm a ver com o reajuste anual repassado pelas distribuidoras de energia aos consumidores. Esse será um outro reajuste, previsto para o mês de setembro. A revisão de agora, como explicou, vai permitir que as distribuidoras arrecadem recursos para cobrir custos com a compra de energia de Itaipu, além de novos contratos de suprimento de eletricidade firmados em leilões e ações do governo financiadas pela Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Normalmente, as distribuidoras costumam bancar essas contas e só depois são ressarcidas no reajuste anual aos consumidores. Dessa vez, no entanto, as empresas alegaram não ter recursos, o que forçou a revisão extraordinária e o repasse antecipado das contas para as faturas de energia da população.

Saneago

O aumento brusco na tarifa de energia, então, acabou puxando também o reajuste nas contas de água. Por meio de nota encaminhada por sua assessoria de imprensa, da Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) explicou que o "custo da energia elétrica tem uma participação em torno de 9% na composição das despesas necessárias à prestação de serviços, o que é bastante representativo".

Como as faturas de energia elétrica referentes a setembro e outubro de 2014 apontaram um incremento médio de 30% em relação ao ano anterior, foi necessário o aumento para que a companhia não ficasse no prejuízo.

Conforme cálculos da própria Saneago, quem apresenta um consumo mensal em torno de 50m3 pagava cerca de R$ 398,08. Com o reajuste, no entanto, a conta de água deve chegar a R$ 407,35.

 

Fonte: O Popular