Balança comercial começa mês de março no vermelho

Balança comercial registrou um déficit (importações maiores do que vendas externas) de US$ 6,06 bilhões

Após registrar o pior mês de fevereiro em 35 anos, a balança comercial brasileira iniciou o mês de março também no vermelho. Segundo números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) nesta segunda-feira (9), as importações superaram as exportações, resultando em déficit comercial, em US$ 50 milhões na primeira semana deste mês.

Segundo o governo, as exportações recuaram 15,3% em no início de março, na comparação com o mesmo mês do ano passado, por conta da retração das vendas de básicos (-28,5%) e semimanufaturados (-0,2%). Os produtos manufaturados, por sua vez, registraram estabailidade nas vendas externas.

Do lado das importações, houve queda de 13,6% na comparação com março do ano passado por conta, principalmente, da queda de gastos com adubos e fertilizantes (-43,9%), veículos automóveis e partes (-31,3%), borracha e obras (-22,5%), equipamentos mecânicos (-22,3%) e farmacêuticos (-15,8%).

Acumulado de 2015

No acumulado deste ano, até este domingo (8), de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, a balança comercial registrou um déficit (importações maiores do que vendas externas) de US$ 6,06 bilhões. Com isso, houve pequena melhora frente ao mesmo período do ano passado, quando o resultado negativo somou US$ 6,08 bilhões.

Na parcial de 2015, as exportações somaram US$ 29,72 bilhões, com média diária de US$ 675 milhões (queda de 12,1% sobre o mesmo período do ano passado). As importações, por sua vez, somaram US$ 35,79 bilhões, ou US$ 813 milhões por dia útil, uma queda de 10% em relação ao mesmo período de 2014.

Resultado de 2014

Em 2014, a balança comercial brasileira teve déficit (importações maiores do que vendas externas) de US$ 3,93 bilhões, o pior resultado para um ano fechado desde 1998, quando houve saldo negativo de US$ 6,62 bilhões. Também foi o primeiro déficit comercial desde o ano 2000, quando as compras do exterior ficaram US$ 731 milhões acima das exportações.

De acordo com o governo, a piora do resultado comercial no ano passado aconteceu, principalmente, por conta da queda no preço das "commodities" (produtos básicos com cotação internacional, como minério de ferro, petróleo e alimentos, por exemplo); pela crise econômica na Argentina - país que é um dos principais compradores de produtos brasileiros - e pelos gastos do Brasil com importação de combustíveis.

Estimativas do mercado e do BC para 2015

A expectativa do mercado financeiro para este ano, segundo pesquisa realizada pelo Banco Central com mais de 100 instituições financeiras na semana passada, é de melhora do saldo comercial. A previsão dos analistas dos bancos é de um superávit de US$ 4 bilhões nas transações comerciais do país com o exterior.

Já o Banco Central prevê um superávit da balança comercial de US$ 6 bilhões para 2015, com exportações em US$ 234 bilhões e compras do exterior no valor de US$ 228 bilhões.

Fonte: G1