Meia passagem no Eixo Anhanguera pode ser limitada

Para ter direito a meia passagem, usuários terão que comprovar que realmente não têm condições de pagar valor integral da tarifa

Com o projeto de criar o Cartão Rede Metrobus, o governo estadual irá limitar o benefício de subsídio da passagem de ônibus do Eixo Anhaguera. Hoje todo os passageiros que fazem uso da linha, sem distinção alguma, pagam R$ 1,65 pela passagem, o restante do valor é subsidiado pelo Estado.

Mas segundo a Metrobus, a intenção, não é acabar com o benefício, mas sim oferece-lo a pessoas que sejam realmente carentes e não tenham condições de arcar com as passagens de ônibus. O presidente da Metrobus, Eduardo Machado, afirma que a empresa está estudando a criação do cartão que será aceito em toda região metropolitana de Goiânia, por todas as empresas de ônibus. "A meta é atender com o benefício às pessoas carentes, que não têm condições de pagar a passagem".

Ele explica que, atualmente, todos os usuários que embarcam no Eixo Anhanguera contam com o subsidio do Estado. Independente do salário que eles recebem, conforme Machado, todos são atendidos com a meia passagem e o Cartão Rede Metrobus vai mudar isso para melhor. "O governo do Estado paga R$ 6 milhões com o custeio das meias passagens dos usuários do Eixo Anhanguera e, com a mudança, 40 mil usuários teriam direito a 90 passagens por mês".

Segundo o presidente, as gratuidades para estudantes e idosos continuam, mas agora haverá seleção de quem necessita realmente da meia passagem. "Essa seleção será feita por meio da rede de proteção social do estado". Machado lembra que o subsídio existe há dez anos, mas agora vai beneficiar quem realmente precisa dele.

De acordo com o deputado estadual Bruno Peixoto (PMDB), a mudança proposta pela Metrobus vai deixar de atender 330 mil usuários para atender apenas 40 mil. Ele informa que o investimento continua sendo o mesmo: R$ 6 milhões. Ele promete analisar item por item do projeto, assim que der entrada na Assembleia Legislativa. "Vamos realizar audiências públicas para saber o que a população acha da medida e saber o que melhor atende aos anseios dela". Peixoto também disse que a mudança vai aumentar, e muito, o custo de vida para quem depende do transporte coletivo.

Usuários reclamam

Fabio Almeida, 40, morador do Parque Amazônia, disse que o trabalhador goiano trabalha muito e recebe pouco e, portanto, não tem condições de pagar passagem integral nas linhas da Metrobus. "É uma covardia porque nós precisamos do transporte coletivo que já não oferece qualidade para quem o utiliza".

Luzineia Torquato, 47, residente em Senador Canedo, afirma que quem será beneficiado com o cartão será quem não precisa dele. "Tenho que pegar três ônibus por dia para me deslocar de casa para o trabalho e faço o mesmo percurso na volta. Necessito ter um desconto na passagem, mas tenho medo de não ser beneficiada com o cartão da Metrobus".

Patrícia Jesus Bueno, 30 anos, também mora em Senador Canedo e não concorda com a medida. "Acho que serei prejudicada com essa mudança porque vai pesar muito no meu orçamento".

 

Fonte: O Hoje