Baixa oferta encarece cebola e tomate

Vilões da inflação de maio, produtos sofreram impacto do clima e de pragas e acumulam alta de 152% e 84%, respectivamente, em 2015

Dois dos maiores vilões da inflação de maio em Goiânia foram a cebola e o tomate. Os produtos aumentaram 49,03% e 24,35%, respectivamente, segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-Goiânia), divulgado pelo Instituto Mauro Borges da Secretaria de Gestão e Planejamento de Goiás (IMB/Segplan). Conforme adiantou O POPULAR ontem, ainda de acordo o órgão, a cebola já acumula alta de 152% em 2015; o tomate, 84%.

O que explica a disparada? Para o diretor técnico das Centrais de Abastecimento de Goiás (Ceasa-GO), Orlando Tokio Kumagai, é a baixa oferta dos produtos, causada principalmente por condições climáticas.

"No caso da cebola, a produção brasileira foi pequena esse ano, veio cebola importada da Argentina e de outros países do Cone Sul, por exemplo, que são grandes produtores", diz ele. Ano passado, lembra, o pico de preço para a saca de 20 quilos do produto foi de R$ 50. Este ano já chegou a R$ 120. "Agora se estabilizou por volta de R$ 100", informa.

Ciclo alterado

Kumagai conta que a oferta de tomate foi impactada por dois fatores: um deles foi o clima, que alterou o ciclo de produção em Goiás, o maior produtor nacional. "Já era pra ter entrado um pouco da produção goiana e não entrou", destaca. O segundo fator foi o ataque de pragas às lavouras do município de Caçador (SC), outro importante fornecedor do fruto. "Não conseguiram controlar algumas doenças e isso afetou muito o volume da produção que costuma abastecer o mercado nos finais e inícios de anos", acrescenta.

A Ceasa-GO comercializa 80 mil toneladas de hortifrutis por mês. O tomate responde sozinho por 8 mil toneladas, ou seja, 10% do volume negociado. Já a cebola movimenta 5 mil toneladas mensais.

 

Fonte: O Popular