Arroz e feijão ficam mais caros, enquanto cesta tem estabilidade

O preço do feijão subiu 6,51% em sete dias, enquanto o arroz teve alta de 3,72%

Nesta semana, o consumidor terá que desembolsar um pouco a mais para fazer o prato básico de arroz e feijão. Isso porque os grãos tiveram aumento. O preço do feijão subiu 6,51% em sete dias, enquanto o arroz teve alta de 3,72%. Além disso, o tempero para os dois alimentos, a cebola, foi o item mais inflacionado, com alta de 12,13%.

Essas informações são da pesquisa semanal da Craisa (Companhia de Abastecimento Integrado de Santo André), que avaliou 34 produtos de primeira necessidade. O conjunto de itens ficou em R$ 488,36, com crescimento de apenas 0,02%, o que significa R$ 0,10 a mais do que na semana passada.

É comum que nesta época a cebola seja importada, já que no Brasil o clima não é favorável para o cultivo. Porém, o produto que costuma vir da Argentina não foi suficiente, e a demanda está vindo de países mais afastados, como a Holanda, explica o engenheiro agrônomo da Craisa, Fábio Vezzá De Benedetto. Uma semana antes, o item havia recuado 4,29% mas continuava caro, custando R$ 6,16. Hoje a média é de R$ 6,91.

Fonte: Força Sindical