Carta Aberta dos Trabalhadores Sobre a Atual Conjuntura Nacional

O Brasil está vivendo uma crise causada pelos governos anteriores e que foi agravada pelo atual governo

O Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST), que tem em seu quadro de filiados a maioria das confederações de trabalhadores do Brasil - as quais criaram o FST, decide se posicionar referente à atual conjuntura econômica, política e social do País e seus governos, conforme segue:

 O FST avalia que o Brasil está vivendo uma crise causada pelos governos anteriores e que foi agravada pelo atual governo. Para não voltarmos muito ao passado, analisaremos os governos dos últimos 20 anos, quando se deu a abertura de mercado com a globalização, passando a exigir do País gestões dos governos com ações capazes de proporcionarem desenvolvimento no setor econômico e social de forma sustentável.

 Evidentemente que para atingir o crescimento sustentável seria necessário um sistema político, tributário e judiciário moderno e eficaz para dar respostas suficientes às demandas. Mas há 20 anos se discute a necessidade de se fazer uma reforma, mas, infelizmente, só tem ficado nas promessas. Os 8 anos do governo Fernando Henrique Cardoso não promoveu reformas, preferiu sustentar o País com redução de direitos dos trabalhadores e contribuintes a exemplo do Fator Previdenciário.

 Entra o governo Lula, que se preocupou muito mais com a sua popularidade do que com as reformas. Um exemplo disto é que ele, que sempre criticou o Fator Previdenciário, teve a chance de corrigir esta injustiça quando, no seu governo, o Congresso derrubou o Fator e ele vetou. Dilma é então lançada candidata à Presidente da República, apoiada pelo ex-presidente Lula, com o compromisso de dar continuidade na plataforma do governo petista, mas, evidentemente, que o País já estava sofrendo com o esgotamento de suas condições econômicas com tantas corrupções e más gestões que começaram a ser refletidas.

 Terminando o primeiro mandato da presidente Dilma, o País já pedia ações de ajustes para equilibrar suas contas, mas a Dilma estava em campanha eleitoral para se reeleger. E, ao invés de chamar os seus concorrentes para um debate sobre a situação real do País, preferiu omitir a realidade e até mentir, quando disse que o País estava bem e que, se reeleita, ficaria melhor ainda. Mal saiu o resultado das urnas com a vitória, a presidente Dilma começou a mostrar a realidade do País, apresentando seus "sacos de maldades", claro, para cima dos trabalhadores, a exemplo das Medidas Provisórias 664 e 665.

 O FST respeita o resultado das urnas e defende a democracia em todas as instâncias e, principalmente, a vontade do povo em qualquer circunstância. A verdade é que o País se encontra dentro de um poço, o qual não se sabe a sua profundidade. Mas o que não podemos admitir é que esta situação continue e que sejam atacados os direitos dos trabalhadores que estão perdendo seus empregos e direitos, e os especuladores financeiros ganhando cada vez mais com os juros exorbitantes.

 Confederações participantes: 

CNTA AFINS, CNTI,CNTTT, CNPL, CONTTMAF, CONTEC Brasil, CONTTCOP, CNTEEC, CONTAG, CONTRATUH, CNTM, CNTS, COBAP, CSPB, CNTQ, CONTRICOM, COBRAPOL, CNTV PS, CONATEC

 

Fonte: Assessoria da CNTA Afins