Quem indica é tendência no mercado

Ter uma boa rede de contatos é tão importante quanto ter um bom currículo. Brasil é o 2º país no mundo em que o método mais funciona

Você possui um QI elevado? Mas, não se trata de Quociente de Inteligência. A referência é ao já conhecido e famoso Quem Indica (QI) que vem ganhando espaço no mercado de trabalho e, de acordo com especialista, trata-se de uma forte tendência. Nesse caso, possuir uma boa rede de contatos é tão importante quanto ter um bom currículo.

Foi assim que Carlos Alberto Carneiro, 37 anos, conseguiu uma recolocação no mercado de trabalho, após um ano e dois meses desempregado. Ele é gerente de vendas e conta que os 15 anos de experiência na área não foram suficientes para conquistar uma vaga de emprego. A sorte de Carlos mudou quando um amigo o indicou para trabalhar na mesma empresa que ele.

"Eu já tinha o desejo de trabalhar nessa empresa, portanto, foi um sonho realizado. Participei do processo seletivo como todos os candidatos. Mas sei que a indicação do meu amigo, que trabalha lá há 20 anos, fez toda a diferença na hora da decisão final", conta Carlos, que comemora o emprego de cinco meses.

Não é só para Carlos Alberto que o "quem indica" vale muito na hora de conseguir um emprego. Um ranking, divulgado pela Robert Half, indicou que o Brasil é o segundo país no mundo em que o QI mais funciona (veja quadro). Em 20% das vagas gerenciais, até 77% são preenchidas através de indicação. Já em 20% das vagas administrativas, até 72% são ocupadas por pessoas que tiveram algum tipo de recomendação.

O especialista em liderança, CEO e fundador da Enora Leaders, João Marcelo Furlan, explica que, em tempos de crise econômica e mercados desaquecidos, as empresas têm optado pela contratação através do QI, "que é uma forma de cortar gastos, pois poderá substituir as agências que cobram para buscar profissionais no mercado".

Tendência

"É um processo de seleção ágil, barato. As empresas brasileiras estão incentivando a prática do QI e oferecendo bônus para os funcionários que indicam pessoas. Uma das vantagens é que a indicação é mais assertiva com as características da empresa", frisa.

O especialista afirma que esta é uma grande tendência, e em breve as empresas terão departamento de QI estruturado e com atuação. Fazendo as seleções apenas com profissionais indicados. "Isso será cada vez mais presente nas empresas estruturadas para esse tipo de processo seletivo", afirma Furlan.

 

Fonte: O Popular