Planeje sua carreira e invista no futuro

Definição de objetivos deve minuciosa. Profissional deve estabelecer metas e expectativas

Num momento de turbulência econômica, insegurança no trabalho e redução do quadro de funcionários, é tempo propício para avaliar e planejar a carreira. Mas em tempo de vacas magras, o profissional precisa ser mais criterioso. Invista em sua carreira, mas guarde uma reserva. Se o plano é alçar novos voos, estabeleça metas, prazos e não perca o foco.

Segundo a psicóloga e coach de executivos Cyndia Bressan, primeiro é preciso fazer uma autoavaliação profissional do desempenho ao longo da carreira. Ela explica que o profissional é responsável pelo seu próprio desenvolvimento e não pode depender somente da iniciativa da empresa. "É hora de mostrar os ganchos de aprendizado para sobressair", explica. Aqui vale cursos de extensão, novas línguas ou soluções alternativas de baixo custo para transpor os desafios.

Entretanto, mudar de carreira incorre a um grau de risco maior. Para mitigar essa agrura, a psicóloga afirma que é essencial que a nova profissão esteja dentro de uma área que lhe dê prazer.

Dessa forma, o plano de carreira deve ser minucioso. Fuja do abstrato. Para tanto é preciso colocar metas, expectativas, parcerias e prazos numa planilha de forma clara. "Quanto e como ele vai investir, o que ele precisa desenvolver para ingressar nessa nova carreira e, sobretudo, em quanto tempo ele vai levar para atingir", ensina. Ela explica que a cada seis meses o plano precisa ser reavaliado para caso haja necessidade de novos direcionamentos.

"Se for preciso, refaça o plano, mas nunca perca o foco, a motivação e o ânimo, senão a tendência é que não vá pra frente", salienta. Outra dica é realizar uma meta de cada vez. Um exercício é manter o foco no que deseja atingir primeiro e vá avançando aos poucos.

Investimento

Aquele dinheiro reservado após anos numa empresa, por exemplo, não deve ser totalmente utilizado para a nova empreitada. Ela explica que é difícil mensurar qual porcentual não deve ser tocado, dependendo de cada tipo de negócio.

Outro ponto é que a família deve ser a primeira a ser avisada. Isso porque a tendência é de que haja quebra de rendimento no início da nova carreira. "A família precisa saber que possivelmente o padrão de vida vai cair num primeiro momento", diz.

 

Fonte: O Popular