Inflação oficial acumulada de janeiro a agosto é a maior desde 2003, diz IBGE

IPCA ficou em 7,06% de janeiro a agosto e em 9,53% em 12 meses.
De julho para agosto, IPCA desacelerou, de 0,62% para 0,22%.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo, considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,22% em agosto, segundo informou, nesta quinta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o menor índice para o mês de agosto desde 2010, quando registrou 0,04%. Em julho, a taxa variou 0,62%.

No ano, de janeiro a agosto, o índice ficou em 7,06%, a maior taxa para o período desde 2003, quando chegou a 7,22%. Já em 12 meses, o IPCA acumula alta de 9,53%, ficando, mais uma vez, acima do teto da meta de inflação do Banco Central, de 6,5%.

Em agosto, na comparação com o mês anterior, entre tudo o que ficou mais barato, as passagens aéreas chamaram a atenção, já que seu preço sofreu redução de quase 25%. Os carros usados também tiveram valor reduzido (-1,03%). Todos esses itens integram o grupo de despesas com transporte, cuja variação passou de 0,15%, em julho, para -0,27% no mês seguinte.

Se por um lado viajar de avião e comprar carro ficou menos pesado, o custo com abastecimento dos veículos aumentou. O preço da gasolina subiu 0,67% e do etanol 0,60%. Consequentemente, a tarifa do ônibus urbano aumentou: 0,60%.

Os preços dos alimentos e das bebidas também diminuíram de julho para agosto (de 0,65% para -0,01%). Os destaques ficaram com a batata-inglesa (-14,75%), com o tomate (-12,88%) e com a cebola (-8,28%). Mas nem tudo ficou mais em conta. A farinha de mandioca, por exemplo, subiu 4,40% e o alho, 2,74%.

O mercado dos economistas do mercado financeiro estima que o feche o ano em 9,29%, de acordo com o mais recente boletim Focus, do Banco Central. Na previsão anterior, a taxa esperada, depois de duas quedas, era de 9,28%. Se confirmado, será o maior índice em 12 anos, ou seja, desde 2003 - quando somou 9,30%.

Em julho, o IPCA acumulado em 12 meses já estava em 9,56%, atingindo o maior valor desde novembro de 2003, quando ficou em 11,02%.

 

Fonte: G1