Motivação traz bom rendimento

Empresas estão combatendo a crise com menos gastos e com investimento no potencial do colaborador

A preocupação com o período de estagnação da economia brasileira tem levado as empresas a procurarem melhores condições para se manter no mercado, aperfeiçoar a produção e evitar gastos. Uma das ações se baseia na necessidade de conhecer os anseios do colaborador e da organização para saber qual prática será interessante.

Através disso, os programas motivacionais se destacam, trazendo as necessidades do empregador para o empregado e vice-versa.

Especialistas da área de recursos humanos defendem veementemente a adoção dos programas motivacionais, em que, desde o simples quadro de aniversariantes do mês aos simpósios internos realizados pela instituição, são avaliados positivamente para o crescimento mútuo.

"A implantação desses programas mostra que a empresa procura manter o máximo de colaboradores possíveis", garante a psicóloga e diretora da Trato Gestão de Pessoas, Cejana de Siqueira Freitas.

Os programas motivacionais são sinônimos de uma equipe mais oxigenada e entusiasmada em produzir. Segundo a consultora, eles instigam o melhor no funcionário, o que incentiva a produtividade e torna o ambiente de trabalho uma via de mão dupla para as empresas e seus colaboradores. Além disso, de acordo com Cejana, a organização deve investir em ouvir seu pessoal, aceitar críticas, sugestões e estar sempre aberta à opinião interna.

Com a adoção de certos programas, a empresa precisa deixar claro o que espera de seus funcionários quanto às atitudes, comportamento e metas a serem cumpridas.

De acordo com a diretora executiva da Agregar Gestão de Pessoas, Maria Célia Franklin, a transparência nas relações é uma das peças fundamentais para garantir um bom funcionamento dos programas motivacionais.

"A clareza é muito importante, sem dúvida. Ser claro nos objetivos faz que o empresário identifique e priorize aquele que integra com mais eficiência o quadro de colaboradores."

Desafio

Maria Célia acredita que é sempre um desafio criar um programa compatível com o perfil da empresa. É preciso verificar se esse programa de fato se espelha em toda necessidade que a organização necessita. "As estratégias precisam ser muito bem pensadas, pois existem muitos projetos que saíram pela culatra. No lugar de ajudar a empresa, eles acabaram desmotivando seus funcionários", comenta. A principal dica é avaliar a conveniência dos programas motivacionais que impulsionam a melhoria das relações trabalhistas.

 

Fonte: O Popular