Além de demissões, mais ajustes serão anunciados

Segundo Marconi, "tudo que for exagero em termos de pagamento de servidores será revisto"

O governador Marconi Perillo (PSDB) anunciou ontem que iniciará o ano 2016 com a demissão de servidores comissionados. De acordo com ele, os cortes deverão alcançar ao menos 500 comissionados, o que representa 0,4% do total ativo - cerca de 105 mil. O Estado não dá detalhes, porém, sobre as exonerações, como órgãos de lotação dos servidores e se serão apenas demissões ou extinções dos cargos também.

Matéria publicada no POPULAR on-line em meados de setembro, no blog da jornalista Fabiana Pulcineli, mostrou que 11 órgãos do Estado têm mais comissionados ou temporários que efetivos. Alguns deles são a Casa Civil, Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), Detran, Secretaria de Governo e Vice-governadoria.

"Ainda não defini (número), mas pretendo cortar o que for possível. Pelo menos 500 comissionados nós vamos cortar. Já reduzi muito. Ano passado chegamos a 5 mil funcionários a menos. Espero reduzir mais ainda e profissionalizar, cada vez mais, a administração pública. Ainda neste ano devo enviar projeto de lei à Assembleia", afirmou Marconi à imprensa durante reinauguração do Condomínio Solidariedade (veja reportagem na página 3).

Crise

A medida tem relação com a crise econômica no País. A exemplo do que ocorre em Goiás, vários outros Estados estão tomando medidas de contenção de gastos a todo o momento.

No Estado, além do corte de servidores, outras medidas de ajustes fiscais deverão ser tomadas. Está previsto, ainda este ano, o envio de projeto de lei à Assembleia Legislativa que vai restringir os pagamentos de quinquênios e licenças-prêmios.

Sobre esta matéria, o governador comentou ontem que "tudo que for exagero em termos de pagamento de servidores será revisto". "Tudo que contribuir para inchar a folha de pagamento passará por análise; tudo que for legal nós faremos", garantiu o tucano que também disse que "não tem cabimento" o Estado recolher impostos para gastar tudo com funcionalismo - segundo ele, os gastos são equivalentes a quase toda a arrecadação. Conforme informações de bastidores, o Ajuste estaria pronto na Casa Civil.

Reforma

Em dezembro do ano passado, o governador realizou reforma administrativa, quando cortou 9,5 mil cargos temporários, 4,94 mil comissionados e mil funções comissionadas (podem ser exercidas por servidores efetivos). Os cortes resultaram em economia de mais de R$ 300 milhões no orçamento deste ano.

No entanto, mesmo depois da reforma realizada na estrutura organizacional, com redução de comissionados e corte de temporários, dados do Portal da Transparência indicam que se mantém alto o número de servidores sem vínculo.

 

Fonte: O POPULAR