Redução na capacidade das usinas deve deixar energia mais cara

Isso é reflexo do volume menor de água nas usinas, devido à seca, desvio de água ou acúmulo de sedimento nas represas (assoreamento).

As usinas hidrelétricas estão reduzindo a capacidade de produção e isso deve fazer com as tarifas de energia fiquem mais caras no próximo ano.Segundo o jornal Folha de S. Paulo, os critérios já definidos pelo governo (que serão apresentados ao setor nesta sexta, 11), apontam que a quantidade de eletricidade que cada unidade pode fornecer, a chamada garantia física, deve cair até 10%.

Isso é reflexo do volume menor de água nas usinas, devido à seca, desvio de água ou acúmulo de sedimento nas represas (assoreamento). A medida atinge inclusive usinas que renovaram as concessões sob as regras definidas pelo governo em 2012 e, portanto, vendiam a preços menores.

A Folha explica que sem parte dessa energia mais barata, as distribuidoras precisarão suprir seus consumidores com eletricidade de hidrelétricas, térmicas e eólicas que produzem energia mais cara. O plano do governo ainda será discutido, por isso, não há estimativa de quanto pode subir a tarifa.

Segundo o IBGE, nos últimos 12 meses encerrados em outubro, a energia subiu em média no país 52,30%.

Energia mais cara

A publicação refere que a redução da capacidade das usinas deve afetar a tarifa.

Isto é: hoje 88% da energia que chega ao consumidor vem de usinas com custo mais caro de geração. São novas hidrelétricas, térmicas, eólicas, etc.

E 12% vem de hidrelétricas mais baratas, cujas concessões foram renovadas em 2012.

Como o Ministério de Minas e Energia irá recalcular a capacidade de geração de todas as usinas, as entidades privadas acreditam que haverá uma redução de até 10% da capacidade das hidrelétricas.

Segundo a Folha, essa revisão do cálculo será feira porque o nível de água nas hidrelétricas está baixo devido à falta de chuvas, desvios de água e assoreamento dos reservatórios

Com essa medida, provavelmente a tarifa de energia fique mais cara, isso porque uma parte maior da energia terá que ser gerada pelas usinas caras.

 

 

Fonte: Notícias ao Minuto