Guerra ganha novos soldados

Decretos de estado de emergência em Goiânia e em Goiás fazem com que se intensifique combate ao mosquito responsável por 4 doenças

O cenário é de uma verdadeira guerra e Goiás e sua capital, Goiânia, têm perdido batalhas consecutivas contra o Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, zika, chikungunya e ainda a febre amarela. O nível histórico de infestação, principalmente por causa da dengue, que resultou na declaração de estado de emergência em nível municipal e estadual, promete novo combate. Com mais tropas e remanejamento, a esperança é vencer a guerra contra o vetor.

A estratégia utilizada pelos governos das diferentes esferas será uma espécie de pente fino em todos os 3,12 milhões de imóveis goianos. A força-tarefa do Estado será em conjunto com os prefeitos, que por sua vez disponibilizarão seus agentes de endemia. Até mesmo o Corpo de Bombeiros e voluntários foram chamados para o enfrentamento.

Em Goiânia, ontem, o prefeito Paulo Garcia (PT) deu início a uma ação conjunta de todas as secretarias municipais, pela primeira vez, no combate aos focos do mosquito. A ação é a primeira após a assinatura do decreto de emergência em saúde na capital devido ao aumento de casos do zika vírus.

Os primeiros setores fiscalizados foram Pedro Ludovico, Universitário e Jardim Goiás. Para esses bairros foram enviados 250 agentes de endemia, o equivalente a 37,2% do contingente total do município, enquanto os demais cobriam outros setores. "Nesses locais específicos temos um índice de infestação acima de 2% e o Ministério da Saúde preconiza que fique abaixo de 1%", explica a superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Flúvia Amorim ao emendar: "Essa, na verdade, é uma continuação das ações do município, mas, a partir de agora, com a integração de mais pastas. Nessa força-tarefa iremos terminar primeiro esses bairros, visitando todas as casas, para depois passar para os demais. Com essa junção podemos adquirir mais insumos e equipamentos de combate".

Sujeira

Outro problema preocupante para o combate ao vetor das doenças são os entulhos e galhadas que podem esconder focos do mosquito. Apenas ontem a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) removeu 760 toneladas de entulho e 25 toneladas de galhos no município durante a força-tarefa.

O órgão realizou 100 viagens para fazer a retirada da sujeira. Além dos setores Pedro Ludovico, Jardim Goiás e Universitário, a Comurg vistoriou a Vila Redenção, Vila São João, Vila Maria José, Alto da Glória, Jardim Santo Antônio, Jardim das Esmeraldas e Areião.

 

Fonte: O Popular