Os representantes relataram diversas situações de desamparo sofridas por seus representados

Federações e Sindicatos manifestam apoio ao Ato em Defesa da Justiça do Trabalho do dia 30/05

Trt

O presidente do TRT da 18ª Região, Aldon Taglialegna, esteve reunido hoje, em seu gabinete com lideranças de federações e sindicatos trabalhistas com jurisdição em Goiás para reforçar pedido de apoio ao Ato em Defesa da Justiça do Trabalho a ser realizado no dia 30 de maio, segunda-feira, na entrada do Fórum Trabalhista de Goiânia.

Na oportunidade, o desembargador Aldon Taglialegna expôs a atual situação da Justiça do Trabalho, que teve que lidar com um corte brusco em seu orçamento e se ajustar de toda forma possível, inclusive reduzindo o horário de atendimento, justamente em um momento de crise em que mais reclamações trabalhistas chegam à Justiça em busca de solução. "Alguns tribunais reduziram para 5 ou 6 horas o atendimento ao público, nós conseguimos manter 8 horas, mas antes trabalhávamos até as 19 horas. Não existe milagre, não conseguimos produzir o mesmo número de audiências em espaço menor de tempo", salientou, demonstrando preocupação com a celeridade da Justiça do Trabalho.

Os representantes sindicais e de federações presentes relataram diversas situações de desamparo sofridas por seus representados, tais como muitas demissões, atrasos de salários, sobre-jornadas e assédio moral e demonstraram amplo apoio à defesa da recomposição orçamentária da Justiça do Trabalho. A ideia geral é de que a Justiça do Trabalho precisa manter sua celeridade justamente por tratar de questões alimentares, precisa continuar dando rápida resposta aos conflitos trabalhistas.

Na reunião, o desembargador-presidente ressaltou a isenção com que a Justiça do Trabalho julga os conflitos entre trabalhadores e empregadores e ressaltou o caráter apartidário do Ato. Ele lembrou, ainda, as manifestações populares de 1999, quando a Justiça do Trabalho foi ameaçada de extinção por alguns representantes do Poder Legislativo e, com o forte engajamento dos Tribunais, entidades e da população, saiu-se vitoriosa, não só mantendo suas atribuições, como tendo suas competências ampliadas. "A Justiça do Trabalho já foi ameaçada de extinção e agora é ameaçada de precarização", alertou Taglialegna.

Participaram da reunião os seguintes representantes: Edvard Souza, presidente da Federação dos Trabalhadores na Indústrias de Alimentação dos Estado de Goiás e Tocantins; Luís Lopes de Lima, presidente da Federação dos Trabalhadores nas indústrias dos Estados de Goiás, Tocantins e Distrito Federal; Patrocínio Braz, presidente da Federação dos Trabalhadores da Indústria da Construção e Mobiliária de Goiás, Tocantins e Distrito Federal; Sérgio Luís da Costa, presidente do Sindicato dos Bancários do Estado de Goiás; José Braz Consentino, presidente do Sindicato dos Trabalhadors da Indústria da Construção e Mobiliário de Goiânia; Elisdalva Silva Silva, representante do presidente da Federação dos Empregados do Comércio Hoteleiro e Similares no Estado de Goiás; Terezinha Escobar, representante do presidente do Sindicato dos Empregados do Comércio Hoteleiro e Similares no Estado de Goiás; Dionne Siqueira, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Goiás; e Lucynes Brijnohan, presidente do Sindicato dos trabalhadores no serviço público de Goiás, Sindipublico.

 

Fonte: TRT18ºregião