Quem já fez 60 anos e recebe aposentadoria por invalidez está liberado da revisão.

Tem auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez? Veja como será a revisão

O governo vai fazer um pente-fino no INSS e convocar para uma nova perícia médica as pessoas que recebem há mais de dois anos auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez. A revisão havia sido anunciada em julho, mas os detalhes só foram publicados no Diário Oficial da União nesta sexta-feira (5).

 

Como as pessoas serão avisadas?
A previsão é que 840 mil pessoas sejam chamadas para uma nova perícia. O governo afirma que ninguém precisa correr para a agência do INSS ou telefonar, porque as pessoas serão avisadas sobre a revisão.

O UOL perguntou à assessoria de imprensa do INSS como as pessoas serão avisadas; eles informaram que "a tendência é ser por carta", mas disseram que devem divulgar mais tarde quais serão os procedimentos.

Veja o que terá mais peso na ordem de chamada:
Para definir a ordem de chamada para revisão, o governo irá considerar a combinação de diversos fatores, priorizando quem recebe auxílio-doença, depois há quanto tempo o benefício está sendo pago e também a idade do trabalhador.

O governo irá priorizar a revisão de quem recebe auxílio-doença há mais de dois

dentre as pessoas que recebem auxílio-doença, a prioridade será convocar antes quem tem o benefício sem data para acabar, ou quem tem uma incapacidade sem data de comprovação;
a prioridade serão as pessoas que recebem o benefício há mais tempo (por exemplo, primeiro quem recebe há 10 anos, depois quem recebe há 5 anos);
a prioridade serão as pessoas mais jovens e depois as mais velhas (por exemplo, primeiro um trabalhador de 25 anos, depois um de 50 anos);
2) Para quem recebe aposentadoria por invalidez há mais de dois anos;

quem tem mais de 60 anos está dispensado da revisão;
dentre as pessoas com menos de 60 anos que recebem aposentadoria por invalidez, a prioridade será para os mais jovens, depois para os mais velhos (por exemplo, primeiro o aposentado que tem 35 anos, depois o que tem 55 anos);
a prioridade será para as pessoas que recebem o benefício há mais tempo (por exemplo, primeiro quem recebe há 20 anos, depois quem recebe há 10 anos).
Médicos peritos recebem bônus
O governo também definiu o número de perícias que poderão ser feitas por dia pelas agências da Previdência Social.

Nos dias úteis, cada uma poderá agendar até quatro perícias por dia. Nos outros dias --como finais de semana--, poderão ser feitas em mutirão, até o limite de 20 por dia.

Para conseguir dar conta desse serviço extra, o governo planejou um esquema especial. Os médicos peritos do INSS não vão poder deixar de fazer seu serviço normal de atendimento. Os médicos decidem, voluntariamente, se querem fazer os atendimentos extras (das revisões); se optarem por participar, recebem um bônus de R$ 60 por perícia de revisão.

Os peritos poderão vasculhar Facebook para cortar auxílio-doença.

Economia de R$ 6,3 bilhões
A fiscalização dos benefícios do INSS faz parte das medidas do governo para tentar reduzir o rombo da Previdência e para equilibrar as contas públicas.

Segundo o governo, a ideia é economizar R$ 6,3 bilhões com o cancelamento de 30% dos auxílios-doença e 5% das aposentadorias por invalidez.

 Fonte: Uol.com