Pais que não vacinarem filhos contra sarampo e poliomielite podem perder a guarda, diz MP

Pais que não vacinarem filhos contra sarampo e poliomielite podem perder a guarda, diz MP

Vacina

Os pais que não levarem os filhos para vacinar contra sarampo e poliomielite podem perder a guarda das crianças, segundo o Ministério Público. O índice de cobertura contra as doenças está abaixo do esperado para Goiás. Para tentar atingir a meta, que é imunizar pelo menos 95% das crianças entre 1 e 4 anos, será convocado um segundo Dia D no estado.

O promotor do Ministério Público, Eduardo Prego, diz os pais têm a obrigação de levar os filhos para vacinar e que, caso isso não aconteça, pode gerar punições. Ele explica ainda que a responsabilidade de se garantir todos os direitos das crianças é compartilhado, de forma que o estado não pode deixar que se falte vacinas, mas os responsáveis também têm que levar as crianças.

"Há uma possibilidade de punição desses pais e responsáveis que não encaminham suas crianças para vacinação, desde a perda ou suspensão do direito familiar, da tutela, até mesmo a responsabilização por uma multa administrativa", explicou.

O Ministério Público encaminhou material recomendando que os municípios elaborem um calendário com um prazo maior de funcionamento das salas de vacinação para que atenda a população que não pode ir naquele horário comercial. O pedido é devido a pais que trabalham e precisam ir aos finais de semana, ou depois das 18h.

A Secretaria Estadual de saúde informou que já está buscando novas estratégias para ampliar a cobertura vacinal no público alvo. "Foi decidido um segundo Dia D para 1º de setembro. A orientação para os municípios é que façam busca ativa, vacinando crianças em creches, escolas, Cmeis e também até em casa a casa no caso das crianças que não freqüentarem a escola", disse a gerente de imunização da Secretaria Estadual de Saúde, Glécia Vecci.

Em Aparecida de Goiânia, a Secretaria de Saúde da cidade começou a imunizar crianças nas feiras livres. O objetivo é aumentar a cobertura vacinal. É necessário que os pais levem o cartão de vacinação.

 

Fonte: G1 Goiás.